quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Abismo entre mim e ti

O que há por trás de mim e ti?
Consciência,
trabalho,
intelectualidade,
problema de comunicação
entre o eu e o outro.
Como falar para o outro?
Eu quero sentir e não consigo
ver nem interpretar o horizonte.
Será problema de hermenêutica?
Eu quero cantar o nosso amor
e não posso.
Tenho que guardá-lo para mim
e me esconder de ti.
Eles determinam por nós!
Como sair desse redemoinho
de desencontros?
Parece algo vazio,
sem vida e sem arte.
Eu sinto tanto por você!
Tenho pisado em falso,
já que não sinto meus pés no chão.
Meu paladar modificou
com tamanha hipocrisia.
Não sinta os afoitos corriqueiros
nem as falsas promessas
oriundas de tuas palavras vãs.
Coloque-se verdadeiramente no meu lugar:
invisível e aparentemente opaco
e cheio de calorias a mais,
porque aí só caberá caetanear
traços e curvas
e o percurso acumula-se
ao longo da vida.
Como ir ao outro pela afetividade?
Como enlaçá-lo a mim?
Como penetrar no sexo dele
e gozar horrores?
Tenho dificuldade em me comunicar.

Há uma distância e um abismo
que separam nosso conhecimento.
Eu vi a possibilidade de me suicidar
e me suicidei.

8 comentários:

  1. Quando as coisas não encaixam, a comunicação falha e os objetivos não são os mesmos, só nos resta uma alternativa, sair de cena. Não necessáriamente tão radical.
    Abração

    ResponderExcluir
  2. Cara, estou até com vergonha de comentar um texo desse! Simplesmente perfeito...
    Espero ler muitos que me tragam esse sentimento de prazer que "Abismo entre mim e ti" me trouxe.
    Grande abraço,
    Bruno José.

    ResponderExcluir
  3. Jander...

    A menor distância entre dois pontos é fácil de calcular, mas a maior não.
    A maior distância entre dois pontos é quando não conseguimos abraçar quem mais amamos!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Que profundo!E como é difício achegar-se ao outro,e quanta dificuldade temos de nos colocar no lugar do outro,e quando outro se chega nem sempre é com sinceridade,verdade,estão todos sempre ocupados consigo mesmos,levante-se pela manhã,e a pergunta é: e quanto a mim? o que eu posso fazer por mim?todo tempo e espaço preenchido por mim e comigo mesmo,e quando vamos ao outro ele está tão ocupado que não há espaço, assim vai passando o tempo... e aumentando a dificuldade de achergar-se ao outro.então o que resta é cair no abismo do isolamento e até da solidão...Acho que o que falta,é uma palavrinha chamada,amor!

    ResponderExcluir
  5. Fransuellem Carvalho1 de outubro de 2010 16:56

    O texto é maravilhoso mexe no profundo de nossa alma. É até difícil comentar tamanha beleza nas palavras.Realmente algo comovente em nós, grandes leitores.

    ResponderExcluir
  6. Esse texto supõe um desencontro, mas o que se vê é que apenas uma das pessoas está realmente envolvida nesse relacionamento.
    A dor do outro é sufocante e expressa com exatidão, a ponto de apenas querer partir.
    Linda poesia!

    ResponderExcluir
  7. Me encontrei em seus versos.

    Lindo, lindo.

    Estou seguindo e vou linkar.

    Beijos sangrentos da vampira Laysha.

    ResponderExcluir
  8. O meu problema certamente é a hermenêutica!!
    rsrs

    Muitas interpretações e, na maioria das vezes, erradas e tidas como verdades absolutas!

    E tenho preguiça de pessoas que ditam verdades absolutas, então deixo elas se divertirem com suas teses de certo e errado! hehe

    Adorei aqui.

    Beijos

    ResponderExcluir