domingo, 29 de maio de 2011

Última nota

Mais uma nota para alcançar uma oitava. Situação complicada, complexa, pérfida e cheia de dinamite. Pura nitroglicerina que se transforma em Hiroshima. Um grande momento pluralístico repleto de emoções se construía na metáfora do violoncelo de Tardin (meu personagem na construção de uma (quase) narrativa, pois não há histórias e para subir um tom requer dom, artimanha vocal e expressividade com as frases feitas: não tem escolhas porque está condenado a mais um refrão. E assim se refaz a canção que na cidade se ouviu e se fez existir. Meu violoncelo se quebrou, partiu-se ao meio com desamor, desalentos e com promessas não cumpridas, com os loiros metamórficos num prolixo entoar de notas, num falso cantar destroçados pelos açoites musicais.
O paralelismo se mostra simetricamente à medida que tudo se desfaz com a aproximação da morte do verdadeiro acorde sonoro. A linguagem se torna ébria, se mistura a ficção para se autodespedir e despedir do mundo exterior a sua volta. Agora a prosa abraça os versos para numa bela simbiose mostrar o simulacro do adeus, visto que algo que existia se desfez, se corroeu e se perdeu numa grande ambivalência.
Ainda resta, nesse exato momento, uma voz que prende imageticamente a uma tessitura. Ela mata, aprisiona, degenera paulatinamente meu canto. Não há mais cantar, pois tudo se desafinou por completo após a emoção acabar. Grande coincidência sonora distribuídas em sete notas musicais! Tudo em busca de uma oitava, de um tom acima, de um amor nada solitário, que fora sucumbido e perdeu a direção. Onde está Tardin neste momento com seu instrumento de cordas a tocar? Foi-se. Traiu-me com a oitava nota, aquela que modificou o acorde com palavras menos amenas, e me deixou a mercê do poder dos desvalidos.
Enfim, houve um momento em que eu pensava no amor entre cordas e instrumentos, entre melodia e canção, entre imagem e tecido musical. A partir desse instante estou só, incomunicável por não deixar meu coração encontrar um novo arranjo musical. Parece um réquiem a me esperar e assim morro para mim mesmo, na mesma música que se repete pouco a pouco numa única composição artística, numa verdadeira e linda peça musical, que se harmoniza no silêncio.



28 comentários:

  1. Arranjo musical urgente para o meu amigo!!!

    Que legal este texto...

    bj de frio pra ti!

    Catita

    ResponderExcluir
  2. uau!.. esplêndido!..
    acordes em harmonia com a música..
    beijo e boa semana..

    ResponderExcluir
  3. Oi Jasanf...
    Agora eu estava vendo..vc tem mais de 1.000 seguidores..não é pra qualquer um!
    Isto é prova do seu talento.
    Lindo o seu texto. Como sempre. O video..maravilhoso..
    Mas meu coração ficou com uma sensação..
    Vc não vai nos abandonar não é?
    Não é despedida..é?
    É ficção ou realidade?
    Vc escreve tão bem que me confunde.
    Bj
    Ma

    ResponderExcluir
  4. Um texto com ar de até logo?
    Não!

    Não!

    Não!

    Pra variar: inspirador!


    Um beijo

    ResponderExcluir
  5. Quando uma pessoa escreve, ela o faz para o mundo a sua volta. Cada palavra trata-se de puro invento.

    ResponderExcluir
  6. Jasanf

    A Nota acima é o começo de nova escala, de qualquer coisa, da Vida...


    Abraço

    SOL da Esteva
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Gente... você escreve muito, incrível!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. oi, adorei seu texto, me deu até umas idéias aqui. Dê uma olhada na minha ultima postagem, fique a vontade.
    http://otaviomsilva.blogspot.com/2011/05/apredendo-com-o-coracao.html

    Forte abraço. Otávio.

    ResponderExcluir
  9. Escrever é facil, saber escrever e ter oque escreve que é dificil. Você só não sabe escrever como também tem oque escrever, parabens de verdade.

    ResponderExcluir
  10. Jasanf..ta td bem? sinto sua falta...nos comentarios..com seus poemas..
    Apareça!! saudades

    bj
    MA

    ResponderExcluir
  11. Não gosto de usar, geralmente, a palavra 'perfeito' pq ela pode limitar, tornar completo algo e tenho dificuldade em achar algo completo, mas te digo sem medo: este texto está perfeito.Completo.


    Forte abraço, querido. =)

    ResponderExcluir
  12. Eu me diverti com o texto. O baixo, o barítono, o tenor, a soprano e a contralto têm tessituras vocais diferentes e a oitava faz toda a diferença. O violoncelo tem som masculino entre o baixo e o barítono e usa a clave de dó muitas vezes. A finalização da nota faz a qualidade do músico. A desafinação é falta da prática de solfejo, todas as vozes podem ser afinadas. Com esse texto você cobrou alguns capítulos de livros musicais. Distraí-me com o seu texto e Beethoven que me aguarde na prova. Um ótimo começo de dia. Yayá.

    ResponderExcluir
  13. Pobre criatura a oitava,
    pérfida rouba o amor...
    Palavras e notas, casamento perfeito!

    ResponderExcluir
  14. Meu Deus, eu 'viajei' com essas palavras. O seu talento não possui limites, amigo! Meus parabéns!

    Continue assim que você vai longe, muito longe!

    Abraços!

    confissoesdeumescritor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. .


    Tenho medo de gritar; bravo!
    E vós tomardes como agravo,
    por isso eu bato palmas e
    fico mudo.

    silvioafonso




    .

    ResponderExcluir
  16. Hual! Que delícia.
    nem vou tentar dizer nada pra não estragar a magia...
    depois volto...
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  17. Jasanf querido, que texto explêndido, musical e arrebatador. Li com a respiração das notas!
    Bravo!
    Bj grande e boa semana

    ResponderExcluir
  18. Olá Jasanf!

    Sempre tento aprender com você!
    Parabéns!
    Aqui no Sul, tá frio de "doer"!

    Abraço carinhoso!

    ResponderExcluir
  19. Amei amei amei, sempre me surpreendendo em Lector, Parabéns, como é bom esse mundo de musicas em? *-*

    ResponderExcluir
  20. A última nota é sempre marcante.

    que não seja despedida

    Beijos

    ResponderExcluir
  21. A musa da controvérsia11 de junho de 2011 12:16

    toda essa confusão para perceber que vc está passando por alguma fase difícil?

    ResponderExcluir
  22. Te espero la no Espelhando hoje viu?
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  23. Oi Jasanf,

    Um amor descrito em notas, ouvido em melodias...
    A música terminou, mesmo assim, o seu amor continua em você e, em breve, encontrará uma outra melodia que o fará levantar vôo.

    Beijos e boa semana,

    ResponderExcluir
  24. Estou participando de um concurso literário e preciso de votos. É simples. Se você tiver facebook entre na sua conta e acesse este link:
    http://www.conteconnosco.com/trabalho-detalhe.php?id=622

    Daí é só logar na página do lado direito no topo "login with facebook" e votar no botão vermelho abaixo da foto. Para ir ao texto vai na categoria escrita, na segunda página. O texto é M. de Ricardo Barbosa.

    Conto com sua ajuda!

    Pode votar todos os dias até o final de julho, você também concorre a prêmios.

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  25. A nota derradeira - dor de um prazer que prossegue. Parabéns; abç!

    ResponderExcluir
  26. Cada escala tem sua tônica, cada verso sua rima, todo coração tras um lamento e todo futuro guarda novo encantamento e outra música prá cantar. Adorei descobrir seu blog, parabéns pelos ótimos textos. Bjs, A.

    ResponderExcluir
  27. Na vida temos os momentos de adagios, andantes e os requiens também. Tudo passa, tudo volta, tudo é cíclico, enquanto o sol brilhar para nós.

    Lindo texto Jasanf

    beijos!

    ResponderExcluir
  28. Cara, um texto e tanto. Inspirado e inspirador. Você se dedica e dá nisso aí. Parabéns.

    Jair Feitosa.

    ResponderExcluir