segunda-feira, 17 de maio de 2010

Cubismo Poético

Você ficou quadrada pelas retas a fora
medidas em círculo de amor.
Em sonhos retangulares; uma ideia caótica.

Mulheres moldadas às esculturas ibéricas,
enquanto os traços curvilíneos
provêm de máscaras africanas.
“Natureza morta com Garrafa e uma Faca”;
a matemática na literatura
a poesia fragmentada em cubos.

O “Balé Mecânico e Entreato”
nas histórias em quadrinhos
o triângulo das bermudas, o mistério!

A Torre Eiffel análoga As Moças de Avinhões;
guerreiros desenhados em tons sem claro-escuro,
impressas todas as festas arrabaldes.

Simbolismo craniano, em formas de cubos.
Cubos... cubos... cubos... redondos, quadrados...
Geometricamente hilários.

Um comentário:

  1. A musa da Controvérsia18 de maio de 2010 16:29

    Considero esse tipo de texto um tanto perigoso, pois é interessante "geometrizar" palavras, mas elas podem vir de um lado, sairem por outro e o texto ficar "redondamente" perdido.

    ResponderExcluir