sábado, 22 de maio de 2010

Simbiose

Hoje choveram palavras
para eu brincar de esconde-esconde.
Dessa vez foi eu quem resolveu
se ausentar e se exilar
num país longínquo.
Queria distância de tudo,
principalmente delas.

Hoje acordei inebriado
com os gritos e sussurros
que elas provocaram.
Até parecia mera felicidade,
todavia a tinta da caneta
não contribuía para escrevê-las.
E usei a mente!
Mentalizei-as para fugir de mim
numa simbiose fascinante
a catarse rompia com sua metamorfose
e assim esqueci
da anáfora que provoquei
quando deixei de existir,
para elas e para mim.













Aos poucos a borboleta aparecia,
rasgava seu antigo casulo
para esquecer da forma de outrora.
A vida modificando pleonasticamente!
Ressurgindo um novo viver,
mesmo sem palavras,
sem vãs filosofias,
sem significantes.

Um comentário:

  1. A musa da Controvérsia27 de maio de 2010 20:42

    Gostei disso; tem o frescor da manhã e a sensação de algo novo no ar. Lendo isso, me transportei para o passado onde sentia essas sensações... foi gostoso!

    ResponderExcluir